HIDROSTUDIO | ENGENHARIA

ALUISIO PARDO CANHOLI, doutor em engenharia hidráulica pela Universidade de São Paulo, é diretor da Hidrostudio Engenharia e autor do livro "Drenagem Urbana e Controle de Enchentes".

RUY JUJI KUBOTA, engenheiro civil formado na Universidade de São Paulo - São Carlos, é sócio-diretor da Hidrostudio Engenharia e atua na área consultiva em drenagem urbana. 

A Hidrostudio Engenharia foi fundada em 1994 no bairro das Perdizes em São Paulo, e desde então desenvolve estudos e projetos voltados ao gerenciamento dos recursos hídricos, infraestrutura urbana e meio ambiente. Vencedora do concurso "Prêmio Prestes Maia de Urbanismo", concedido em 1998 pela Prefeitura Municipal de São Paulo, a empresa vem se destacando nesses 25 anos de atuação, notadamente, em um dos pólos mais avançados na concepção e aplicação de técnicas inovadoras de controle de enchentes em nível mundial. 

Priorizando desde sua fundação, a mudança de paradigma a partir da adoção de obras de reservação e gerenciamento dos recursos hídricos em diversas modalidades, destacam-se os projetos e a operação exitosa dos reservatórios de controle de cheias, como do Pacaembu, de onde adveio o termo "piscinão", a restauração de fundos de vales e parques lineares da cidade de São Paulo, o Plano Diretor de Macrodrenagem da Bacia do Alto Tietê e da Cidade do Rio de Janeiro.

Drenagem Urbana em São Paulo 

As ações de combate às enchentes na A Região Metropolitana de São Paulo em sua maior parte situa-se em uma única bacia hidrográfica: Bacia do Alto Tietê. Até 1993, os projetos, baseavam-se na simples ampliação dos canais e galerias. De 1993 para cá, houve uma mudança de paradigma: ações centradas na retenção e amortecimento dos picos. Foram então planejados pela Prefeitura Municipal de São Paulo, entre 1993 e 1998, os piscinões: Pacaembú (75.000m³); Águas Espraiadas (300.000m³); Guaraú e Bananal (bacia do rio Cabuçu de Baixo), com 250.000m³ cada; Rio das Pedras (40.000m³); além de 5 piscinões (1.200.000 m³) no Aricanduva: Caguaçu, Aricanduva I, II e III e Limoeiro e, pelo Governo do Estado através do DAEE, 54 piscinões, sendo 17 no Pirajuçara e 37 no Alto Tamanduateí. Entre 1998 e 2002 é concluído o “Plano Diretor de Macrodrenagem do Alto Tietê” pelo DAEE, no âmbito da Região Metropolitana de São Paulo com suas bacias principais: Tietê, Tamanduateí, Pirajuçara, Juqueri, Baquirivu-Guaçu, Canal de Circunvalação (M.D.) e Aricanduva.